Comunidade de Pokémon e Videojogos no geral!

Login

Esqueci minha senha

Dezembro 2016

DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Calendário Calendário

Parceiros

Fate4Anime
PokéFórum-PT

    The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Compartilhe

    BAlvez
    Mewtwo

    Mensagens : 6024
    Reputação : 24
    Data de inscrição : 30/12/2011
    Idade : 24
    Localização : Vila Nova de Gaia

    The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Mensagem por BAlvez em 24/12/2013, 15:33


    Versão testada: -----------

    A Link Between Worlds é o mais recente capítulo da famosa série The Legend of Zelda, claramente inspirado no clássico da série lançado para SNES em 1991 com o subtítulo A Link to the Past, foi um desejo do produtor maior da série (Eiji Aonuma) em voltar a trabalhar na perspectiva que revolucionou os jogos de aventura naquela altura.
    Este novo capítulo apresenta-se como uma sequela directa do jogo em qual é inspirado, várias gerações depois pois Link e Zelda são novas encarnações das personagens do passado, e isso nota-se no jogo pois Hyrule está praticamente igual e quem experienciou A Link to the Past certamente conhece os cantos à casa, mas as coisas mudaram após estes anos todos... Mas porque é que somos trazidos de volta a esta versão de Hyrule?

    Após Ganon ter sido derrotado, Hyrule tem vivido dias pacíficos como já não existia memória, e é num desses dias que Link acorda mas está atrasado para seu trabalho que é aprendiz de ferreiro. Ao chegar lá é-nos dito que um cliente se esqueceu da espada que pediu para forjar na loja e aí o nosso mestre pede-nos para tentar encontrar o dono da espada (um capitão das forças armadas de Hyrule).
    Eventualmente descobrimos que é costume esse capitão visitar o santuário mas ao chegar lá reparamos que existe algo de errado e através de uma entrada secreta do cemitério vamos tentar descobrir o que se passa, para isso começamos a empunhar a espada do nosso cliente. Ao chegar ao santuário vemos um homem chamado de Yuga a transformar uma dos descendentes dos sete Sages numa pintura, mas entretanto ele ataca-nos e Link desmaia.
    Quando acorda ele vê que está em sua própria casa, mas quem o trouxe foi uma misteriosa personagem chamada de Ravio, personagem esta que nos pede para ficar em nossa casa e oferece a Link uma misteriosa pulseira e aconselha em dizer tudo que se passou à princesa Zelda. A partir daqui a história é bastante similar ao jogo original, precisamos de obter os três amuletos para puder controlar a Master Sword, espada esta capaz de derrotar o mal. Na busca dos amuletos temos de ir a um local chamado de Eastern Palace, onde encontramos de novo Yuga a transformar numa pintura mais um descente dos sete Sages, e também tenta fazer o mesmo connosco, mas graças à bracelete que Ravio nos ofereceu conseguimos não só sair do estado de pintura como também controlar essa habilidade, ou seja, podemos transformar-nos numa pintura sempre que quisermos.
    Depois de conseguir os três amuletos podemos controlar a Master Sword e quando isso é possível temos de nos dirigir ao castelo de Hyrule, e lá vemos que algo de errado se está a passar e assim que conseguirmos ultrapassar todos os obstáculos vemos Yuga a transformar a princesa Zelda também num quadro, e ele diz-nos que o seu objectivo é fazer ressuscitar Ganon com os sete descendentes (já os reuniu a todos) para obter todas as Triforce e assim controlar Hyrule. Depois da batalha ele consegue escapar através de uma fissura negra no quarto da princesa, e quando nós também passamos por essa fissura nós estamos numa versão alternativa de Hyrule chamada de Lorule, aí a princesa desse local de nome Hilda diz-nos que Yuga escondeu os quadros dos descendentes em locais diferentes de Lorule, e aqui começa a nossa verdadeira aventura de não só salvar Hyrule como também Lorule.

    Como disse antes, a habilidade de transformar Link numa pintura é uma das grandes novidades deste capítulo da série, não só nos será útil para resolver os Puzzles como também na exploração de Hyrule e Lorule, e através das várias fissuras em ambos os reinos podemos viajar entre eles. Esta habilidade tem limites que é o medidor de magia que neste jogo é bastante importante pois não só é consumida quando utilizamos habilidades mágicas como também itens como bombas, flechas ou o martelo, em vez de termos uma determinada quantidade desses itens para usar ou utilizá-los sem limite, a barra vai consumindo sempre que utilizamos um objectivo e quando chega ao fim estamos impossibilitados de utilizar qualquer item. Eventualmente acaba por se restaurar esta barra e assim podemos voltar a utilizar os itens de forma a obrigar o jogador a utilizar os seus recursos conscientemente. É diferente, mas eu gostei bastante deste novo sistema pois assim não é preciso estar preocupado a reabastecer o nosso arsenal antes de partir à descoberta.
    Para além dos itens consumirem essa barra de magia por cada utilização, existe mais uma particularidade que torna este novo jogo único muito por causa do Ravio. Assim que ele comece a viver em nossa casa ele abre uma loja (grande lata) de itens que podem ser alugados ou comprados por nós, desta forma nós podemos explorar aquilo que bem entendermos pela ordem que quisermos em vez de seguir uma linha como na maioria dos capítulos anteriores, o que é excelente e cada vez que jogarmos este jogo podemos fazer as coisas de forma diferente. A diferença entre alugar e comprar itens ao Ravio é que quando alugamos um item nós pagamos uma preço muito baixo para utilizar tal coisa (podemos alugar a quantidade de itens que quisermos), mas se desmaiarmos temos de devolver tudo que alugamos, quando compramos os preços dos itens são altos mas ficam para nós permanentemente e podemos melhorar esses itens.
    Como disse, neste capítulo é possível melhorar itens quando os compramos, para isso temos de ir salvando filhotes da mãe Maiamai, sempre que salvarmos 10 pequenotes e os devolvermos à sua mãe, ela melhora um dos nossos itens à escolha. Isto é completamente opcional mas com isto o sistema de progressão continua presente mesmo com este novo sistema de itens. Não só a mãe Miamai melhora os nossos itens como em Dungeons ou Side Quests nos oferecem itens ou versões melhoradas dos mesmos. Para além desses bichinhos, existem as habituais Heart Pieces que podem sem procuradas assim que entendermos e se necessário, utilizar os itens precisos, mas também mini-jogos que nos recompensam com muitos Ruppies e outras coisas, e ainda a possibilidade de desafiar Dark Links obtidos através do Street Pass em combates.
    Só me falta falar do jogo jogado e só tenho a dizer maravilhas, os controlos são simples, intuitivos e respondem de imediato (um botão para atacar, dois para utilizar os itens associados, outro para agarrar coisas, um para envergar o escudo e o outro para utilizar as Pegasus Boots assim que disponíveis), tem um mapa maravilhoso que nos ajuda a orientar perfeitamente em ambas as regiões (e ainda tem pionés para marcarmos localizações, para além de mostrar quandos Maiamais faltam salvar em determinada região), um sistema de movimentação excelente com fast-travel (algo semelhante ao pássaro do jogo original, só que desta vez é a vassoura de uma bruxa) e mais importante de tudo, uma pessoa não precisa de guias para tirar o máximo proveito deste jogo pois o jogo orienta-nos bem naquilo que temos e podemos fazer, e mesmo que uma pessoa não saiba que fazer existem meios para descobrir, um deles são os Hint Glasses que revelam fantasmas que nos dão dicas em troca de moedas.
    Outra coisa importante de referir é que existem umas poucas "mini-dungeons", ou seja, pequenas masmorras com puzzles para resolver e ao conseguir ganhamos grandes quantidades Ruppies, o que é bom pois a moeda corrente deste jogo é bem mais importante.
    Só tenho a dizer boas coisas sobre a jogabilidade deste capítulo, não existe nada negativo a apontar.
    Graficamente, embora Hyrule e Lorule sejam muito semelhantes a Hyrule e Dark World de A Link to the Past, têm um ar fresco, novo mas ao mesmo tempo algo familiar, isto num estilo de arte bastante similar ao jogo de 91, ou seja, Hyrule bastante colorida e Lorule muito obscura, consegue transmitir a essência pretendida e não é qualquer jogo que consegue fazer isso. O mesmo se aplica às personagens, seu design e animações de encher o olho mesmo tendo um estilo de arte simplista, parece algo orgânico e tem a haver com a situação. Juntando a isto ainda temos o efeito 3D da 3DS que mais uma vez consegue surpreender, é difícil ter essa opção desligada pois não só funciona bem como é necessária. A par de Ocarina of Time 3D, dos melhores efeitos 3D na consola, e mesmo com ele ligado temos um jogo corrido bem fluido a 60fps sem qualquer quebra de frames, o que é de louvar e por isso é que está tão bom.
    Já sobre o som, não só têm novas versões de todos os temas de A Link to the Past como também têm novos e tal como antes, conseguem transmitir a atmosfera pretendida com temas de enorme qualidade, e desta vez os efeitos sonoros fazem jus ao que acontece no cenário e de forma "orgânica", por isso desta vez este departamento merece uma nota máxima.
    Agora vamos à longevidade, devo de ter demorado umas 20 horas tendo explorado tudo e conseguindo todos os coleccionáveis, mas eu não o completei a 100% porque existem um sistema de medalhas nos desafios do Dark Link. Existem 50 medalhas ao todo e sempre que conseguirmos derrotar o inimigo da forma pretendida ganhamos uma medalha por esse feito, juntando isto a tudo aquilo que o jogo pode oferecer, existe aqui pano para mangas e motivos para repetir este capítulo pois podemos fazer as coisas de forma diferente por cada vez que jogamos, juntando a isso o Hero Mode que é a dificuldade maior para quem quiser um maior desafio.
    Por fim chegamos à parte final da análise que é a dificuldade, que acaba por ser o calcanhar de Aquiles deste jogo. Para verem bem, em 20 horas de jogo eu não morri  nem uma vez, é verdade que tinha sempre uma fada num frasco e por isso é que o contador de mortes no final do jogo estava a zero, mas mesmo assim é impressionante o quão acessível é este jogo, e falo só em questão de inimigos normais e bosses pois os puzzles conseguem puxar pela nossa cabeça à mesma. Este jogo é muito fácil e quem já é fã de Zelda não terá grandes problemas ao longo desta aventura, o que é pena. É certo que existe o Hero Mode onde os inimigos tiram mais HP, mas para desbloquear esse modo é preciso terminar o jogo uma vez na dificuldade normal e nesse novo modo uma pessoa está mais preparada para tudo.

    Gráficos 10 - Embora simplista está aqui um trabalho cinco estrelas;
    Jogabilidade 10 - Isto parece manteiga, é boa e fluída;
    Som 10 - Finalmente de grande qualidade a todos os níveis;
    Longevidade 10 - Quantidade, variedade e não existe linearidade, que é preciso pedir mais?;
    Dificuldade 7 - Bons puzzles mas inimigos bastante fáceis.

    Nota Final - 9,4

    Mesmo sendo um jogo fácil é bastante divertido e por isso mesmo é que qualquer pessoa o consegue repetir com facilidade este novo capitulo mesmo contornando a questão da dificuldade, dessa forma é a entrega perfeita para os não-fãs de Zelda se iniciarem nesta maravilhosa série.
    Temos aqui mais um grande jogo para o catálogo da 3DS e é dos melhores para esta consola de sucesso da Nintendo.


    Última edição por BAlvez em 26/12/2013, 14:34, editado 1 vez(es)


    _________________


    Friend Code 3DS XL (principal) | 4081-5670-1330
    Friend Code 3DS (secundária) | 1907-9133-8595
    Nintendo Network ID Wii U | BAlvez

    lobito180
    Mewtwo

    Mensagens : 5234
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 20/01/2012
    Idade : 21

    Re: The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Mensagem por lobito180 em 24/12/2013, 18:07

    Mais um que vou ter de comprar num futuro próximo! xD
    E mais uma boa análise! Wink

    Miguelcmb
    Suicune

    Mensagens : 2459
    Reputação : 21
    Data de inscrição : 30/12/2011
    Idade : 19
    Localização : Lisboa

    Re: The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Mensagem por Miguelcmb em 26/12/2013, 17:24

    Já tenho este jogo! Ainda avancei pouco na história (embora já tenha explorado uma grande parte de Hyrule) e estou a gostar muito, mas por enquanto está muito fácil e ganha-se dinheiro muito facilmente. Vou ver se arranjo uma maneira para dificultar um pouco as coisas ao longo do jogo.

    Boa análise Wink


    _________________
    A jogar: Pokémon Alpha Sapphire e Fallout New Vegas
    RPG Team: Oshawott () lv.9 / Spearow () lv.10 / Elekid () lv.10 / Cleffa () lv.8 / Phanpy () lv.8


    BAlvez
    Mewtwo

    Mensagens : 6024
    Reputação : 24
    Data de inscrição : 30/12/2011
    Idade : 24
    Localização : Vila Nova de Gaia

    Re: The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Mensagem por BAlvez em 26/12/2013, 19:00

    Obrigado a ambos Wink

    Miguelcmb escreveu:Já tenho este jogo! Ainda avancei pouco na história (embora já tenha explorado uma grande parte de Hyrule) e estou a gostar muito, mas por enquanto está muito fácil e ganha-se dinheiro muito facilmente.

    É verdade, mas nada comparado a Lorule onde se ganha com muita mais facilidade dos mini-jogos que para ganhar uma Piece of Heart precisa-se de sorte e manha, só aí dá para encher o saco e comprar os itens todos ao Ravio.
    Mas melhor melhor só mesmo a Treacherous Tower, estive lá para ganhar uns Upgrades e para além deles saí com 9999 Ruppies no bolso xD


    _________________


    Friend Code 3DS XL (principal) | 4081-5670-1330
    Friend Code 3DS (secundária) | 1907-9133-8595
    Nintendo Network ID Wii U | BAlvez

    Conteúdo patrocinado

    Re: The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (3DS)

    Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 12:42


      Data/hora atual: 10/12/2016, 12:42